Regra 34 | Leia a crítica do filme de Júlia Murat

Já ouviu alguém dizer que, não importa o que aconteça, ou que o espectador meio que entende de cinema (e, portanto, a forma como ele julga o cinema bom e mau), é apenas… edição? Independente de absolutos, deve-se reconhecer que a função morfológica não significa edição, ou o poder que reside em costurar jantares para causar impressões específicas (um levar mais atrasado aqui, um quadro ajustado ali, um fechar-se acolá) e decidir, essencialmente, para que e como vamos cheirando em cada quadro de um filme eu dei importância a Thelma Schoonmaker na carreira de Martin Scorseseou de jennifer lambe você nos filma de Noah Baumbach.

em regras 34, Essa sinergia entre cineasta e montador não é um fator a ser considerado: quem dirige é Júlia MuratQue costume montar seus próprios filmes. Não é uma exceção (de roberto rodriguez anos irmãos coen, muitos diretores também são seus montadores), ainda mais é curioso observar isso, até porque, aqui, a montagem se mostra como pedra fundamental de um filme que prospera em posições justas. A mão ágil e audaciosa de Murat atrás de dois cortes entre imagens contrastantes da vida da protagonista Simone (Sol Miranda) construiu a grandeza do filme muito mais do que os eventos que ocorrem tramadesenhado com cuidado, mas nunca transbordando para a artificialidade do drama social ou do thriller erótico.

regras 34 Ele começa com Simone, exibindo-se em um dos dois shows adultos que faz na Internet, masturbando-se na frente da câmera como usuários de bate-papo para ganhar dinheiro. Ao final da apresentação, descobrimos que ela acabou de se formar como defensora pública, passou no julgamento da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e vai começar a trabalhar em uma delegação que atende casos de mulheres agredidas pelos maridos. A partir desse dia, o filme desenrola-se num ritmo sinuoso por momentos de trabalho, estudo, lazer e obsessão sexual, desdobrando-se no retrato de uma personagem que não só é multifacetada, mas que, fundamentalmente, reconhece quando e como “rosto”. dá seu protagonista se transfere para outro.

Em sala de aula, Simone e seus colegas discutem a legalização ou criminalização da prostituição sob o ponto de vista da solidariedade com a prostituta – e regras 34 imediatamente curto para ou no meio de dois shows on-line dá protagonista, especificamente aquele em que ela é atraída para além de seus próprios limites. Eu não trabalho, ela mora com uma mulher que não quer denunciar o marido, até porque ele”Eu nunca levantei um dedo contra ela”, apesar de dois abusos psicológicos – filmo este direto para um momento íntimo em que Lúcia (Simone Comparato), amiga e amante de Simone, sugere uma alternativa incômoda para lidar com o caso.

Alguns anos depois, a contaminação entre o público e o individual torna-se irremediável, e a montagem de regras 34 Ele é visceralmente eficiente na construção desse processo. Murat, que já editou documentários para si e para outros realizadores, surge não por acaso como um perspicaz seleccionador de imagens, ora rimando, ora contrastando as cores e posições corporais para manter ou quebrar a continuidade da história na cabeça do espectador. eu te amarrei leva de ruas e trilhas urbanas captadas pelo cineasta e pelo diretor de fotografia Léo Bittencourt Ele está aqui para nos seduzir, para nos integrar no mundo moralmente complicado da história – que, o filme parece nos dizer o tempo todo, é o mesmo para nós.

No centro do processo de fundação das diferentes mulheres que vivem dentro de Simone está ainda a atriz Sol Miranda. Estrante em longas-metragens, ela encontra a linha perfeita entre a naturalidade e a explosão, posicionando o corpo como instrumento essencial de performance – principalmente em um papel que tanto expõe -, como através do qual evidencia emoções não são internalizadas no momento, mas também profundamente enraizado em uma experiência social que não é mostrada no filme. O grande intérprete, no fim das contas, é aquele que nos faz ver e entender ou que é pouco vaidoso, ou não é ele mesmo, sobre o personagem e a vida que criou.

Seria um erro dizer que regras 34 Discurso sobre qualquer coisa, não importa quantos tópicos ou perpassem – para começar comentando sobre pornografia em ambiente de anonimato on-line, de onde vemos tal rainha que dá nome ao filme. Têm ideias utilizadas sobre os limites do ideal ético no quotidiano íntimo, sobre a influência quase irresistível de dois sistemas sobre o indivíduo, mas estas e outras ideias não se articulam a um nível abstracto e artificial do discurso – concretizam-se em imagens, no procedimento e na narrativa.

Este é, enfim, o mais exemplar do cinema brasileiro que se mostra brilhante pelo árduo e diligente trabalho que aplica ao meio, às linguagens que o compõe, mesmo diante de um país que diariamente se recusa a reconhecer a grandeza de sua própria arte.

Ano: 2022

País: Brasil/França

Duração: 100 minutos

Endereço: Júlia Murat

Roteador: Júlia Murat

Fundida: Lorena Comparato, MC Carol, Sol Miranda, Babu Santana

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *