Leitores da Folha revelam metas de leitura para 2023 – 13/01/2023 – Painel do Leitor

A consistência é o principal meta de leitura do engenheiro Vanderlei Medeiros Ramos, 33, até 2023.

“O objetivo é introduzir o hábito da leitura de forma consistente. Ocupe o melhor tempo, hoje levado cabelo vice de mídia social. A ideia é ter uma meta realista e mantê-la constante, sem se preocupar com a quantidade”, disse o morador do Rio de Janeiro (RJ).

Da mesma forma, a professora Maria Elisabeth Vespoli, 72, de São Paulo (SP), disse querer recuperar “o hábito que estava perdendo devido ao tempo dedicado às redes”.

“Fiquei sabendo naquela semana que passei jogando baralho no celular e desinstalei o jogo. Comecei a ler imediatamente e estou adorando retomar o hábito”, disse a produtora rural Mara Silvia Eroles, 52, de Mogi das Cruzes (SP).

“Minha mídia é três livros por mês, já que moro no site e não assisto TV. Mas não me preocupo com quantidade, e sim com qualidade. Quero ser eclético, buscar livros de autores jovens, outros consagrados uns, e autores negros.”

“A ambição é da natureza de um leitor fanático. Não me importo que minha ambição para 2023 seja ler os clássicos da literatura russa”, diz o fotógrafo José Alberto Iakatos, 62, de São Paulo (SP). “Ler é um vício muito bom. Dá para fazer viagem sem dano à saúde. É uma droga legalizada.”

“Quero voltar a uma leitura consistente da ficção por causa da realidade no Brasil em que fui enterrado no ano passado”, diz o servidor público Pedro Ivo Rocha de Macedo, 41, de Brasília (DF). Ele quer ler 75 livros este ano.

Já Pedro Cardoso da Costa, 60, de São Paulo (SP), prefere não traçar metas quantitativas, mas quer ler pelo menos dez livros em 2023. atento.”



“Ler é um vício muito bom. Dá pra viajar sem prejudicar a saúde. É uma droga legalizada”

Divino Alves de Oliveira, 56, de Goiânia (GO), conta com ajuda tecnológica para cumprir a meta de pelo menos três livros por mês.

“Não é meu aniversário, dia 30 de dezembro, ganho um kmarcha lenta, e a experiência de ler o livro está sendo ótima! Estou lendo 3 livros simultaneamente”, disse o policial militar da reserva.

“Utilizo a acessibilidade para deficientes visuais, o que me ajuda a ter uma velocidade de leitura melhor”, sugeriu o empresário Eduardo Anton, 42, de Joinville (SC). Ele quer ler 60 livros (cinco por mês), meta que considera conservadora, mas no ano passado leu 72.

O autônomo Diego Marcelo Bentes Carmin, 34, de Manaus (AM), adotou uma metodologia para sistematizar as leituras do ano.

“Tenho uma meta de 24 livros (dois por mês), 15 dias para cada livro, organizados por capítulos ou páginas diárias. Até 2022, terei 12 livros com meta de um por mês”, disse.

Ele dá uma dica para os outros leitores Folha. “Foi difícil criar um hábito porque eu achava que precisava ‘fazer muito’ todos os dias, quando uma verdade ou hábito se criava em poucos anos, com metas pequenas, e um processo de longo prazo.”

O professor Jonas Renato Donizeti Pierobon, 34, tem ajuda de clube de leitura de sua cidade (Leme, SP). “Gostaria de ler mais ou o mesmo que no ano passado, que foram 36 livros. Vou tentar diversificar mais as minhas leituras.”

“Na meta de leitura para 2023, comprei 12 livros, inclusive um em inglês. Meu foco é continuar lendo alguns assuntos que me interessam”, disse Cidalva Pereira da Luz, de São Paulo (SP). “Desde o início da pandemia, publiquei 48 livros e este ano pretendo completar 60 livros.”

O engenheiro mecânico Anderson Vieira dos Santos, 39, de Indaiatuba (SP), elenca 10 livros para querer ler em 2023, a maior parte da história brasileira, como a série “Escravidão”, de Laurentino Gomesa coleção sobre a autoridade militar brasileira de Elio Gaspari.



“Ler é uma terapia sistemática e contínua. É uma forma indelével de se deliciar com o mundo imaginário, não como as letras que construímos são sonhos”

Irzair Ciro Correa, 50, professor de Cuiabá (MT), terá como foco a literatura engajada, com autores negros e livros sobre política para entender melhor as relações políticas e culturais da América Latina.

Vicencia Maria Passinho Franco, 56 anos, que queria continuar com a obra de Laurentino, declarou seu amor lendo. “Os livros são meus amantes lidos desde quando eu era jovem, legado do meu amor materno e do meu pai, dois ilustres leitores.”

“Ler é uma terapia sistemática e contínua. Uma conversa dinâmica com os personagens do texto, uma viagem neural a mundos diversos. É uma forma indelével de se deliciar com o mundo imaginário, não como as letras que inventamos nos sonhos”, ela acrescentou um professor de São Luis (MA).

Eu li mais histórias dois leitores a seguir.

“Meu objetivo é ler ou reler livros. Acho que serei ambicioso e ousado. Meu foco é adquirir o hábito da leitura não do meu dia a dia e aprimorar meu vocabulário.”
André Cassimiro52 anos, agente de organização escolar (São Paulo, SP)

Evelyne ramos massulo26 anos, estudante (Campo Grande, MS)

Meu objetivo é ler mais livros de não ficção, principalmente os que já tenho na estante. Não quero nada ambicioso, mas também espero dedicar mais tempo à leitura.
Graciela Paciência da Silva36, revisora ​​de conteúdo para varejo (São Paulo, SP)

Minha meta em 2023 continuará sendo a leitura diária, das 5h às 6h30 aproximadamente, tomando um café e embarcando para vários destinos dois romances, livros de história, biografias e crônicas.
johnny callay56, empresário (São Paulo, SP)

“Sempre deixo uma lista com aproximadamente 15 livros para começar, mas nunca leio todos, porque não consigo passar o ano como vocês querem, mudando de acordo com o humor e as novidades do mercado. Tenho muitos livros na estante esperando de uma vez, na maioria das vezes o Novo prevalece. Na minha lista, tento alternar clássicos com contemporâneos, acrescento poesias, crônicas e procuro ler pelo menos um livro de alguns dos meus autores favoritos. Eu faço não focar na quantidade, mas na concretização do desejo de leitura que impera no momento.”

Janaína Brito42, bancário (Mauá, SP)

“A leitura é proveitosa ou deveria ser? Integrada ao cotidiano, quero ler livros que ampliem as possibilidades de conexão com as pessoas. Vou ler livros de sucesso e livros de prestígio. Em alguns momentos, vou ler livros, histórias e textos só para mim.”
Clara Carolina Souza Santos38 anos, professora (Vitória da Conquista, BA)

“Sempre fui muito ambicioso em relação à leitura. Não ano passado li 38 livros; este ano quero ler 50. Ainda assim, mais importante do que praticar o hábito da leitura são os conhecimentos adquiridos e como posso aplicar esses conhecimentos de forma multifacetada áreas da vida”.
Éder Antonio Pereira da Cruz18 anos, universitário (Teófilo Otoni, MG)

“Agora que estou acomodado, quero reintroduzir meu hábito de leitura e estudar 6 horas por dia e dar continuidade ao projeto interrompido há 30 anos por dificuldades financeiras.”
luis edesio favorito60 anos, assentado (Itapira, SP)

“Tenho cerca de 30 livros, ainda não lidos em minha biblioteca. Sempre fui um leitor assíduo, mas o hábito se perdeu depois que entrei no mercado de trabalho. Como resolução para o ano novo de 2021, tentei retomar o hábito e entendi. Eu leio, em média, um livro por semana.”

Gisele de Sousa Santana31, parteira (São Paulo, SP)

“Dizem que sou uma leitora compulsiva, leio cerca de oito livros por mês, o que me dá cinco livros por ano. Leio desde os 12 anos.”

Vicente de Paulo Lima Menezes64 anos, servidor público (Fortaleza, CE)

“O objetivo será ler livros infantis que retratem os valores relacionados à preservação do meio ambiente e a transição verde de um novo mundo que está por vir (ou capitalismo verde) para a net minha”.
Rita de Cássia samora64 (Itapira, SP)

.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *