Clubes de leitura têm agenda definida para 2023 em Maringá

A temporada promete ser de muitas páginas viradas em Maringá, seja no digital, seja no papel. Famoso pela grande concentração de clubes de leitura, que reúnem fãs e curiosos em torno dos livros, o Cidade Canção tem leitores de outras maratonas que começam agora em janeiro.

Um deles é o Bons Casmurros, que completa dez anos de atividades em 2023. Segundo informações oficiais, já fez 150 encontros, lendo muito e tudo. A participação é gratuita, assim como os dois únicos clubes listados neste texto.

A pauta do 1º semestre conta com oito obras, desde o clássico Liev Tolstoy até obras contemporâneas, como o caso dos dois queridos brasileiros, Valter Hugo Mãe. Também tenho um espaço de leitura para uma autora ganhadora do Prêmio Nobel (Annie Ernaux).

Os encontros serão a cada três semanas, presenciais, com entrada franca. A recomendação é ler dois livros escolhidos na íntegra.

A primeira sessão será no próximo sábado, dia 21, às 16h30, no Atari Bar (av. Prudente de Morais, 945). Os participantes vão trocar ideias sobre “Sobre o autoritarismo brasileiro” (2019), da historiadora Lilia Schwarcz. “Ao investigar esses subterrâneos da história do país – e suas permanências não presentes – o autor expõe as raízes do autoritarismo no Brasil, e ajuda a entender porque incentivamos e continuamos a ser uma nação muito mais excludente do que inclusiva, com uma longa estrada Ele luta contra a elaboração de uma agenda justa e igualitária”, conta à Companhia das Letras.

A seguir, veja a seguinte sequência: 11/02 – “Bodas de Sangue”, de Garcia Lorca; 11/03 – “O acontecimento”, de Annie Ernaux; 1º/04 – “O barão nas árvores”, de Ítalo Calvino; 29/04 – “Rinha de Galos”, de María Fernanda Ampuero; 20/05 – “O filho de mil homens”, de Valter Hugo Mãe; 03/06 – “Degenerate”, de Chloé Cruchaudet; 24/06 – “Ressurreição”, de Liev Tolstoi.

Para mais informações, acesse: www.instagram.com/clubedeleiturabonscasmurros/

Bons Casmurros existe desde 2013 (Crédito: Arquivo Pessoal/Bons Casmurros)

Biblioteca
Já o Clube de Litura Maringá inicia as obras de 2023 no dia 4 de março, com a obra de estreia “Crime e Castigo” (1866), de Fiódor Dostoyevsky. Os encontros entre leitores e leitoras são realizados na Biblioteca Central (av. Horácio Racanello, 6.090).

No livro de Dostoiévski, Raskolnikov, um jovem estudante, pobre e desesperado, perambula pelas ruas de São Petersburgo para cometer um crime que tentará justificar por uma teoria: grandes homens, como César ou Napoleão, foram assassinos absolvidos pela História. Este ato desencadeia uma narrativa labiríntica que arrasta o leitor por bares, tabernas e pequenos cômodos, povoados por personagens que lutam para preservar sua dignidade contra as diversas formas de tirania.

Na sequência, o Clube lerá e discutirá as seguintes obras ao longo do ano: 18/03 – “O velho e o mar”, de Ernest Hemingway; 1º/04 – “O país das neves”, de Yasunari Kawabata; 29/04 – “Angústia”, de Graciliano Ramos; 13/05 – “Caro Kombini”, de Sayaka Murata; 03/06 – “Triste fim de Policarpo Quaresma”, de Lima Barreto; 1º/07 – “O vermelho e o negro”, de Stendhall; 05/08 – “O alegre canto da perdição”, de Paulina Chiziane; 02/09 – “Mulherzinhas”, de Louisa May Alcott; 07/10 – “Assim na terra como embaixo da terra”, de Ana Paula Maia; 11/11 – “O avesso da pele”, de Jeferson Tenório; e 12/02 – “O amor nos tempos do cólera”, de Gabriel García Márquez.

Para maiores informações: www.instagram.com/secretariadeculturamaringa/
E tel. (44) 3127-6080.

Atividades do clube acontecem na Biblioteca Central (Crédito: Semuc)

mulheres
Ramificação local de um projeto nacional, o Leia Mulheres Maringá tem como foco a leitura e divulgação de livros escritos por mulheres. Por mediação de Estela Lacerda e Gabriela Fonseca Tofanelo, o clube está aberto a todos.

Para 2023, o primeiro semestre abre com “A ilha dos sentimentos perdidos”, da escritora e comunicóloga radicada em Maringá, Hada Maller. Esse trabalho concorreu, inclusive, ao Prêmio Jabuti em 2022, na categoria Conto. O encontro será no dia 28 de janeiro, às 16h, no Açukapê (rua Santos Dumont, 2.543), com a ilustre presença de Maller.

Próximas leituras: 25/02 – “A cor roxa”, de Alice Walker; 18/03 – “Um pediatra”, de Andréa Del Fuego; 15/04 – “As coisas que perdemos no fugo”, de Mariana Enríquez; 27/05 – “Copo vazio”, de Natalia Timerman; e 17/06 – “Eu sei porque o pássaro canta na gaiola”, de Maya Angelou.

Em formação: www.instagram.com/leiamulheresmaringa/

Clube lê e divulga livros de autoria feminina (Crédito: Arquivo Pessoal/Leia Mulheres Mgá)

acrópole
Criado em 2022, o Clube de Leitura da Acrópole está vinculado ao blog e canal do YouTube “Acrópole Revisitada – Do clássico ao contemporâneo”, sob o comando do escritor, professor e mestre/doutor em literatura maringense Luigi Ricciardi.

Com funcionamento virtual, as atividades mensais de leitura do primeiro semestre de 2023 do clube começam no dia 21 de janeiro, com um clássico da literatura brasileira: “Memórias Póstumas de Brás Cubas” (1881), de Machado de Assis. É um romance fundador do Realismo, cheio de digressões filosóficas.

Confira a seguir a programação da Acropole no semestre: 18/02 – “O acontecimento”, de Annie Ernaux; 18/03 – “As intermitências da morte”, de José Saramago; 15/04 – “O manto da noite”, de Carola Saavedra; 13/05 – “Uma fúria”, de Silvina Ocampo; e 17/06 – “Anna Kariênina”, de Liev Tolstoy.

“Venham discutir essas magníficas obras com as pessoas”, disse o perfil do clube nas redes sociais. “A ideia não é fazer uma discussão acadêmica, mas sim uma troca de experiências, de pontos de vista sobre cada livro. Você é livre para dizer o que gostou ou não e expressar sua opinião”.

Em formação: www.instagram.com/acropolerevisitada/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *